A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

Márcio Roberto Malcher Furtado

Resumo


O presente artigo tem por objetivo elucidar o fenômeno da angústia dentro do pensamento do filósofo alemão Martin Heidegger (1889-1976) sob a perspectiva da investigação fenomenológicaexistencial. A angústia se manifesta como um dos modos de ser do Dasein. Ser que não está pronto no
mundo, ao contrário, está continuamente a procura do vir a realizar-se. O ser-no-mundo possibilita as diferentes existências de ser do Dasein (ser junto às coisas, ser com os outros e ser em função de si mesmo). Logo, a angústia, como um dos modos de ser, alerta o Dasein de sua finitude e incompletude, impulsionando-o para o caminho da autenticidade.

Texto completo:

PDF

Referências


GILES, Thomas Ranson. História do existencialismo e da fenomenologia. São Paulo: EPU, Ed. da Universidade de São Paulo, 1975.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Petrópolis: Vozes, 2006.

_________________. Introdução à metafísica. Tradução de Emmanuel Carneiro Leão. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1978.

_________________. Que é metafisica? Tradução de Ernildo Stein. São Paulo: Abril Cultural, 1979. (Coleção Os Pensadores).

HUISMAN, Denis. História do existencialismo. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

LUIJPEN, Wilhelmus Antonius Maria. Introdução à Fenomenologia existencial. Trad. Carlos Lopes de Matos. São Paulo, EPU, Ed. da Universidade de São Paulo, 1973.

PASQUA, Hervé. Introdução à leitura do Ser e tempo de Martin Heidegger. Lisboa: Instituto Piaget, 1993.

WERLE, Marco Aurélio. A angústia, o nada e a morte em Heidegger. Trans/Form/Ação, Marília, v. 26, n. 1,

p.97-113, 2003. Disponível em

so>. Acesso em 27/11/2020. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31732003000100004.




DOI: http://dx.doi.org/10.32459/revistalumen.v6i11.185

Apontamentos

  • Não há apontamentos.