A imagem como símbolo de status

Enio Everton Arlindo Vieira

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar o uso de pinturas aristocráticas como símbolo de status social e autopromoção. Para tal estudo, utilizaremos quadros de Hans Holbein produzidos na primeira metade do século XVI, e imagens do imperador brasileiro dom Pedro II, mostrando a existência de uma continuidade entre as pinturas do fim do período medieval e início da era moderna, e o imaginário da família real brasileira no século XIX, no que diz respeito, ainda que indiretamente, à imagem do homem rico, nobre e culto.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências

GOMBRICH, E. H. The Story of Art. New York: Phaidon Press Limited, 2006.

HOLBEIN, Hans. The Ambassadors. Óleo sobre tela, 1533. Recurso eletrônico.

Disponível em Google arts.

, acesso em 18/03/2018, 11:16 a.m.

HOLBEIN, Hans. The Merchant Georg Gisze. Óleo sobre tela, 1532. Disponível em Web Gallery of Art , Visitado em 27/08/2018, 3:02 p.m.

LISBOA, Antonio Francisco (Aleijadinho). Profeta Baruque. Estátua. 1800-1805. Disponível em Acervo Digital da Unesp. , acesso em 27/08/2018, 2h53 p.m.

MEIRELLES, Victor. Dom Pedro II. Óleo sobre tela. 1864. Recurso eletrônico. Disponível em Google arts.

, acesso em 24/08/2018, 11h04 a.m.

PACHECO, Joaquim Insley. The Emperor D. Pedro II, Petrópolis, RJ. Brazil. Fotografia, 1883. Disponível em Google Arts.

, acesso em 24/08/2018, 11:29 a.m.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. As Barbas do Imperador. D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.32459/revistalumen.v3i5.75

Apontamentos

  • Não há apontamentos.